Proibir as mulheres de vestir o véu islâmico ou a burca. A proposta de Lisa Duffy, candidata à liderança do partido de Independência do Reino Unido (UKIP), agitou o noticiário britânico nos últimos dias. O instituto YouGov divulgou uma pesquisa no dia 31 de agosto apontando preferência de 57% da população à proibição.

O grupo de pessoas entre 18 e 24 anos é o único que se opõem à proibição, com 40% desaprovando a medida. As pessoas acima de 65 anos são as que mais aderiram a ideia, com 78% de aprovação. A pesquisa também mostra a preferência dos partidos políticos. Todos os principais também tiveram maioria a favor de uma proibição. Entre o partido de Lisa, 84% é a favor da proibição.

 

Polêmica na França

O verão na França foi marcado pela discussão sobre a proibição dos Burkinis em mais de 30 cidades litorâneas, entre elas Cannes. A vestimenta é utilizada pelas mulheres islâmicas nas praias locais para cobrir o corpo. A proibição provoca uma polêmica entre os defensores da liberdade de expressão e os partidários do respeito da não divulgação religiosa no espaço público.

Desde 2010, contudo, o véu integral está proibido nos lugares públicos do país e o hijab (lenço que cobre o cabelo e o pescoço das mulheres) também não está permitido nas escolas ou para os funcionários da administração em seus locais de trabalho.