Se você vai viajar de trem pela Europa, relaxe: é muito mais fácil, confortável e tranquilo do que pegar um avião. Quase não há atrasos ou cancelamentos, mesmo nos invernos inclementes. E nem o medo do terro­rismo criou empecilhos como ocor­re nos aeroportos.

Esses fatores têm colocado em vaga de novo o bom e velho trem. Aliás, “velho” coisa nenhuma: as ferrovias européias se modernizaram como nunca nos últimos quin­ze anos, ganhando estações sofisti­cadas, onde existe internet wi-fi, lo­jas chiques e mostras de arte.

Para um brasileiro, é difícil ima­ginar isso. Afinal, décadas de equívocos políticos nos legaram um país em que existem apenas três acanha­das ferrovias de passageiros, tota­lizando menos de 2.000 quilômetros de trilhos. Trem, no Brasil, é uma vaga lembrança do passado. Nada mais diferente que o cenário euro­peu, onde, numa área equivalente à de nosso país, acumulam-se mais de 240.000 quilômetros de ferrovias — ou seja, 120 vezes mais que por aqui.

São trens de todo tipo: dos ul­tra-velozes TGVs (sigla em francês para Trem de Alta Velocidade) aos relaxantes comboios turísticos que cortam os Alpes. Ou ainda, dos mo­dernos trens executivos que interli­gam cidades alemãs aos hotéis sobre trilhos que transportam passageiros durante a noite entre as grandes ca­pitais como Madri e Paris. E mais: en­quanto os aeroportos somam algu­mas centenas, as estações ferroviárias são milhares por todo o conti­nente. Assim, você pode viajar tran­quilamente entre cidades médias e pequenas, sem ter de mudar de meio de transporte no caminho.

Não é de estranhar que os trilhos estejam fazendo frente às turbinas. Hoje em dia, 70% do tráfego de pas­sageiros entre Londres e Paris é feito pelo Eurostar, o trem inaugurado em 1994 que cruza o Canal da Mancha por um túnel submarino a mais de 300 quilômetros por hora. Com a abertura de um trecho que corta caminho em terras da rainha, mais gente opta pela viagem ferroviária. É que o percurso entre as capitais tem a duração di­minuída de 2h35 para 2h 15.  Por incrível que pareça, é quase a metade do tempo que se gasta de avião, se considerando o embarque e a distância dos aeroportos.

No trecho entre Londres e Bruxelas, o tempo de viagem é ainda menor: 1h25. “O trem acabou com os voos entre as duas cidades”, diz Xavier Theret, diretor para a America Latina da Rail Europe. É um exagero: ainda existem linhas aéreas ligando as capitais da Inglaterra e da Bélgica. Mas hoje são menos da metade do que existia há quinze anos, todas oferecendo mil descontos para tentar sobreviver. Mesmo com a lambuja das companhias aéreas, a frequência dos trens aumenta de modo expresso. Já são nove saídas diárias entre Londres e Bruxelas — um trecho ferroviário que nem sequer existia doze anos atrás. Só perde para o itinerário Londres—Paris, que vê diariamente quinze Eurostars indo de um lado a outro.

A velocidade, porém, não é o único fator — longe disso, aliás. Talvez o conforto seduza mais que a rapidez. Não há comparação, por exemplo, entre as poltronas do Eurostar e as dos aviões de carreira: no mais apertado dos comboios franceses, o espaço por passageiro é no mínimo 40% maior do que num moderno Boeing 777.

Em um trem, também não há necessidade de cintos de segurança e você pode zanzar de cá, para lá e vice-versa, algo particularmente agradável naqueles que incluem bar ou vagão-restaurante. Ou, ainda, sentir-se livre para descer numa estação qualquer para dar um passeio e pegar o próximo trem, graças aos cada vez mais populares passes. “Da para aproveitar muito melhor o tempo, porque as estações estão sempre perto do centro das cidades”, empolga-se a universitária argentina Angélica Rojas, que comprou um passe de quinze dias ao lado de mais cinco amigos.

Alguns desses passes são tão completos que incluem descontos ou entrada gratuita em museus, um luxo com o qual nenhum turista ousava sonhar alguns anos atrás. E outros dão direito a desfrutar os cada vez mais badalados trens temáticos. Como o Snow Train, que sai de Londres com destino as estações de esqui nos Alpes, com direito a discoteca a bordo para a moçada se aquecer. Ou os trens panorâmicos e históricos — há mais de vinte deles! E, ainda, o trem do Chocolate que permite descer nas principais regiões produtoras de queijos e doces da Suíça. Uma alternativa perfeita para os viciados em acepipes.

Conheça alguns tipos de transporte ferroviário que você pode desfrutar na Europa:

ALTA VELOCIDADE

São trens capazes de viajar a mais de 500 km/h (ainda que na prática não passem de 320 km/h). A linha mais famosa é a Eurostar, que liga Londres a Paris em meras 2h15. A viagem nela acaba sendo mais rápida que a realizada por via aérea, devido à agilidade do embarque e à localização central das estações, em contraste com a burocracia dos check-in aéreos e a distância dos aeroportos. Só na França existem 665 trens rápidos, batizados de TGV (sigla em francês para trem de alta velocidade), Eles cobrem 181 destinos. Há similares na Alemanha (ICE), na Itália (ES), na Espanha (AVE) e na Suécia (X2000).

HOTEL SOBRE TRILHOS
Esses trens noturnos parecem cenário de filme. São equipados com cabines individuais ou familiares, com banheiro e ar-condicionado. O viajante recebe até mesmo uma nécessaire com produtos de higiene e perfumaria, como ocorre nos hotéis. Além disso, há o glamour do carro-restaurante, que serve jantar e café da manhã. Os mais famosos são o Elipsos, que leva de Madri a Paris e vice-versa, o City Night Line, que cruza Alemanha, Suíça e Áustria, e o Artesia, que conduz de Roma a Paris e vice-versa. O único problema é que, no Elipsos, por exemplo, há vagões novos e misturados a outros velhinhos e puídos. Vai da sua sorte.

TRENS TEMÁTICOS
Já pensou em ir a uma “balada ferroviária”? E a uma degustação de chocolates sobre trilhos? Pois há trens em que a atração está não apenas no destino, mas também a bordo, durante a viagem. O Snow Train, por exemplo, sai da Inglaterra e vai parando por toda a França para recolher fãs de esqui na neve. O destino são os Alpes e, no caminho, a galera se diverte no “disco car”, o vagão discoteca. Outro famoso é o Trem do Chocolate, apelidado de “Trem do Colesterol”. Isso porque ele leva às principais fábricas de queijo e chocolates da Suíça. Vez por outra surgem também trens para enólogos, com degustação de vinhos a bordo.

RÁPIDO E BARATO

Há alternativas práticas e confortáveis às viagens de automóveis. São os trens que cobrem trajetos médios a mais de 200 km/h, geralmente dentro de um mesmo país. Os executivos os adoram: existem a bordo até tomadas para recarregar notebooks e, portanto, trabalhar durante a jornada. Se você é um turista, aproveite. Mas não se atreva a falar alto ou fazer bagunça!

PARA VER A PAISAGEM
Eles existem em vários países, mas é na Suíça que atingem os píncaros — literalmente. Há linhas como o Glacier Express, que ao longo de 8 horas cruza o país passando por 291 pontes é 91 túneis nas montanhas, sempre de cara para paisagens nevadas. Outra linha, a Bernina, transpassa os Alpes de norte a sul, de Zurique a Tirano, na Itália. O ponto alto (mesmo!) é a passagem pelo Passo Bernina, que fica a 2500 metros de altura. E há os trens que contornam os belos lagos suíços, como o Golden Pass Line, que corre de Zurique a Genebra, passando pela famosa cidadezinha de Montreux.

Fonte: Próxima Viagem

Uma boa dica de site para consultas de viagem pela malha ferroviária da Europa:

www.raileurope.com

www.orient-express.com

Assista o vídeo e fique por dentro!