A Inglaterra é, com certeza, um dos países mais visitados da Europa e um dos mais visados pela grande oferta de emprego. Muitas pessoas sonham em um dia viajar para cá, conhecer Londres e outras das mais diversas cidades importantes do Reino Unido. Talvez, quem sabe, até poder morar na capital inglesa.

É um sonho comum, mas e se você quiser realmente se aventurar assim e permanecer na terra da rainha, como poderia trabalhar em Londres? Quais as condições e as recomendações para alguém disposto a viver e trabalhar em outro país? Aqui estão listadas algumas informações e dicas interessantes para facilitar a vida de quem pretende trilhar esse caminho, confira!

Os tipos de visto

Vale lembrar que, se eu, brasileiro, quero visitar Londres por até 6 meses, não é preciso retirar um visto de turista no Brasil como seria necessário para ir aos Estados Unidos, por exemplo. No entanto, se eu quero morar e trabalhar legalmente em Londres, obviamente precisarei de um visto, da mesma forma como precisaria de um se eu quisesse trabalhar em Nova Iorque, Paris, Munique, Tóquio etc.

Como de costume, existem diferentes tipos de visto, e cada um deles possui diferentes restrições e concessões para quem viaja para o exterior. Na Inglaterra, são cinco os ranqueamentos de visto mais comuns. Os Tiers, forma de ranqueamento adotado na Grã-Bretanha, funcionam por meio de um sistema de pontuação e classificação das qualificações do candidato ao visto:

  • Tier 1 – Este é o ranqueamento mais elevado, destinado para três categorias de pessoas: os investidores dispostos a investir no mínimo £1.000.000,00 (um milhão de libras) em algum projeto no Reino Unido; os empresários que saibam falar inglês e que comprovem um montante de £200.000,00 (duzentas mil libras) para gerenciar os negócios em solo britânico; e os profissionais altamente qualificados das áreas artísticas ou científicas, que se enquadram na categoria de “Tier 1 – talento excepcional”.
  • Tier 2 – Neste rank, encontram-se os trabalhadores com ótima capacitação profissional, que desejam viver e trabalhar na Inglaterra com o suporte de uma empresa, que deve comprovar a oferta de emprego e explicar a necessidade do funcionário de outra nacionalidade.
  • Tier 3 – Este visto é para aqueles que vão desempenhar algum trabalho temporário na Inglaterra e têm menor qualificação profissional que os citados em 1 e 2. No entanto, em 2013, o Primeiro Ministro David Cameron afirmou que essa opção de visto seria “completamente suspensa”.
  • Tier 4 – O visto de estudante expedido pelas autoridades britânicas é o Tier 4. Para cursos com duração inferior a 6 meses, não é necessário o ranqueamento 4, mas não é permitido trabalhar legalmente em hipótese alguma. Com esse visto, que deve ser requerido no consulado britânico ainda no Brasil, é possível trabalhar se estivermos cursando uma graduação ou uma pós graduação ou um curso de idiomas, respeitando certas cargas horárias.
  • Tier 5 – Este visto é destinado aos programas de mobilidade jovem (até 24 meses) e também aos trabalhadores temporários (até 12 meses). São diversas as atividades que podem ser desenvolvidas: intercâmbios, ações voluntárias ou humanitárias, participação em eventos esportivos e atividades religiosas.

Os estudantes estrangeiros na Inglaterra

Como foi dito acima, “Tier 4” é a categoria para os estudantes e, assim, pode permitir que você trabalhe legalmente na Inglaterra. O Tier 4 é um visto temporário para cursos com duração maior que 6 meses, e que para alguns desses cursos permite o acesso a um emprego formal em Londres, com carga horária que varia entre 10h semanais e 40h semanais.

A duração do visto em si varia de acordo com o curso que você pretende fazer, e este precisa ter todas as comprovações de parceria e vínculo com uma instituição de ensino no Brasil. A extensão do período de estadia é complicada, pois nem sempre os pedidos para estender a permanência com visto de estudante são aceitos. Contudo, é possível conseguir uma extensão de até 2 anos, variando, é claro, com o tipo de curso.

Ligação com a União Europeia

Cidadãos de outros países da União Europeia ou do Espaço Econômico Europeu têm todo o direito de permanecer e trabalhar em Londres, assim como ocorre com os países membros do Mercosul. Um argentino pode ir e vir ao Brasil livremente,  morar, trabalhar e estudar no Brasil. Então, se eu sou brasileiro, o acordo entre Grã-Bretanha e os outros países da UE/EEE não se aplica a mim, certo? Adequo-me apenas ao Mercosul? Mais ou menos.

Imagine que você tenha um amigo francês que viajou para o chile e se apaixonou por uma chilena ao ponto de casar-se com ela. Ele passaria a ter privilégios de permanência nos países do Mercosul. Você teria privilégios semelhantes a esses do seu amigo francês se fosse casado com alguém natural de algum dos países da União Europeia ou do Espaço Econômico Europeu. Ou seja, teria a permissão de morar e trabalhar em Londres sem problemas.

Cônjuge com permissão para trabalhar

No caso de você ser casado com alguém que já tenha a permissão para trabalhar na Inglaterra, automaticamente você também pode trabalhar. Isso se aplica, portanto, não só para os casos de cônjuge de nacionalidade europeia, como foi dito. Independentemente do fato de sua esposa ou seu esposo ser brasileiro, mexicano, coreano, egípcio etc.: se ele ou ela possuir uma qualificação para ter um emprego formal na Grã-Bretanha, você tem todo o direito de trabalhar formalmente também.

Nessas situações, mesmo que o seu cônjuge, habilitado a trabalhar, seja um estudante que tem permanência temporária, você pode ter um emprego em Londres normalmente. Portanto, os parceiros de portadores de vistos Tier têm esse privilégio.

Algumas vantagens trabalhistas inglesas

Por ter um emprego formal no Reino Unido, você tem direito a uma série de vantagens. Como por exemplo: férias pagas, que correspondem a 25 dias úteis, todos os anos; seguro desemprego, chamado de “Jobseeker’s Allowance”, que na verdade é uma ajuda do governo se você estiver desempregado e procurando por um novo emprego; você e sua família têm direito de usar integralmente o sistema público de saúde; seus filhos têm direito de serem matriculados no sistema público de educação e outras coisas mais.

Em Londres, algumas empresas pagam, além de bons salários, alguns extras para ajudar com o custo de vida elevado da cidade. Esses extras podem ser para ajuda de custo no transporte ou até mesmo auxílio-moradia, este dado principalmente aos moradores do centro da cidade.

Ficou com vontade de mudar os ares e vir trabalhar em Londres? Você já passou por essa experiência? Conte pra gente nos comentários, queremos ouvir o que você tem a dizer!

Minhas dicas foram úteis? Quer saber mais sobre Londres? Baixe gratuitamente o e-book “Como morar em Londres: 6 passos para o sucesso“.