O Reino Unido causou polêmica nesta segunda-feira ao aprovar pesquisas com alteração de DNA em embriões humanos fertilizados. É a primeira vez que um país concede tal liberação. As pesquisas serão realizadas no Instituto Francis Crick, que fica em Londres. De acordo com a Autoridade de Fertilização Humana e Embriologia britânica, objetivo é aprofundar o conhecimento sobre os primeiros instantes da vida humana. Por outro lado, a implantação dos embriões geneticamente modificados em mulheres permanece proibida.

A China possui, desde o ano passado, liberação para os cientistas editarem genes para corrigir embriões que carregam uma desordem no sangue. Contudo, o país asiático, não tem uma regulamentação específica para o assunto. Assim, o Reino Unido é o primeiro país a ter uma regulamentação adequada e aprovada. A iniciativa é vista, e por esse motivo criticada, como uma abertura para que possam ser desenvolvidos “bebês melhorados” geneticamente, pelo fato da edição dos genes permitir a manipulação do DNA.