A quarta-feira teve mais um capítulo da novela envolvendo a implementação do serviço de metrô 24 horas aos finais de semana em Londres. O RMT (Rail, Maritime and Transport Union), maior sindicato que representa os trabalhadores do metrô londrino, anunciou hoje que aconselhará seus membros a aceitar os pagamentos e condições oferecidos pelo London Underground. A última proposta inclui, além de outros termos, um contrato de quatro anos com 2% de aumento de salário por ano, além de 500 libras de bônus aos motoristas e funcionários das estações onde o serviço noturno funcionará.

Como anunciado pela mídia inglesa, o sindicato Aslef também estaria satisfeito com a última proposta. O Aslef representa a maioria dos motoristas do metrô. Espera-se que a entidade tome a mesma ação do RMT e aconselhe seus membros a aceitar a oferta. O sindicato TSSA, que também representa funcionários que trabalham nas estações, ainda não se pronunciou sobre o caso. De acordo com a BBC, o United, que representa os engenheiros, recusou a proposta e segue negociando.

O início do funcionamento do metrô noturno tem sido adiado constantemente. Inicialmente, era previsto para começar a operar em setembro de 2015, mas foi prorrogado em função das negociações sobre pagamentos e condições aos funcionários. O serviço noturno é previsto para acontecer às sextas-feiras e aos sábados nas linhas Victoria, Jubilee, Piccadilly, Central e Northern. A votação dos membros dos sindicatos acontecerá no próximo dia 18 de fevereiro. No total, aproximadamente 10 mil trabalhadores participarão do pleito.