Quem vai morar no exterior para trabalhar, estudar ou fazer intercâmbio cultural sabe que as primeiras semanas são de adaptação. Além de estar em um lugar novo e diferente, longe dos amigos e familiares e sem ninguém por perto para ajudar, a chegada em um novo país requer paciência e muita disposição para aprender.

Pensando nisso, preparei um guia de sobrevivência com tudo o que você precisa saber para viver bem em Londres desde o primeiro dia. Confira!

Passando pela imigração

Começo esse guia falando da sua primeira experiência ao pisar em Londres: a imigração! Se você estiver vindo de qualquer país fora do Reino Unido — incluindo aí os países europeus —, será obrigado a passar pela imigração ao chegar em Londres. Por isso, é preciso ter em mãos todos os seus documentos para evitar problemas na entrada.

No caso de visto para visitante, o Standard Visitor, não é necessário obtê-lo antes da viagem, pois o visto é concedido na hora pelo agente de imigração. Esse é o caso de quem vai apenas visitar o país e não vale para trabalho ou estudo. Para entrar com esse visto, basta mostrar documentos que comprovem que você tem planos de sair do país, trouxe dinheiro suficiente para se manter e se hospedar e que tem recursos para pagar a viagem de volta.

No caso do visto para estudantes ou para trabalhar, é preciso requerer a permissão junto ao Consulado no Brasil com pelo menos três meses de antecedência da viagem.

Prepare-se para o clima

Parece besteira, mas muita gente se esquece de conferir o clima local antes de se mudar para um novo país e acaba chegando desprevenido. Como a Inglaterra fica no hemisfério norte, as estações são sempre o oposto do hemisfério sul. Portanto, se é verão no Brasil, será inverno em Londres. Para evitar gastos desnecessários logo na primeira semana, a dica é acompanhar a previsão do tempo e trazer roupas adequadas.

Caso você se mude para Londres no outono ou inverno, vale a pena investir em uma boa roupa térmica para utilizar embaixo das suas outras peças. Outra boa aposta é um casaco impermeável e quentinho, já que Londres é úmida durante boa parte do ano!

Se você esqueceu de levar roupa de frio, não se desespere! Há lojas com bons preços onde você vai encontrar casacos e sobretudos por valores relativamente baixos ou acessíveis. São elas a japonesa Uniqlo, especializada em casacos leves e quentinhos, e as grandes redes, como H&M, Zara e Mango. Não se esqueça de investir em um bom calçado impermeável, já que o inverno é frio, úmido e pode ter neve.

Se a sua chegada for no fim de uma estação, aproveite os descontos em lojas de roupas, sapatos e acessórios, que podem chegar a 70%!

Leve o básico

Para evitar gastos desnecessários ao chegar em Londres, leve de casa aquilo que você sabe que vai precisar desde a primeira semana. Um item fundamental é o adaptador de tomada, pois o padrão utilizado na Inglaterra não é compatível com nenhum aparelho comprado no Brasil, nos Estados Unidos ou mesmo no restante da Europa.

Além do adaptador, leve os medicamentos que você usa com frequência. Se forem remédios com prescrição, o ideal é pesquisar se as substâncias são permitidas na Inglaterra para que os remédios não corram o risco de serem confiscados.

Transporte público

Os táxis pretos de Londres são um charme, mas custam caro. Por isso, o seu principal meio de locomoção será o metrô — conhecido pelos londrinos por Underground. O metrô de Londres é considerado um dos melhores do mundo e, de fato, é a melhor opção para você circular pela cidade. Mas não caia na besteira de comprar bilhetes únicos para uma só viagem, que custam muito mais caro!

Economize suas libras utilizando o Oyster Card, um cartão que você pode recarregar e usar em todas as modalidades de transporte. O Oyster Card tem duas modalidades: pay-as-you-go, que significa que você pode colocar um crédito pré-pago no cartão e o valor de cada viagem será descontado desse total; e o Travelcard, que tem pagamento antecipado e permite fazer viagens ilimitadas em um dia ou semana.

Outra vantagem é usar o mesmo cartão no underground, nos ônibus e trens de superfície e até nas balsas. Se a ideia é economizar, opte pelo ônibus em horários de pico, pois a tarifa do metrô varia e fica mais cara durante a hora do rush.

Conheça a geografia da cidade

Outra dica para quem vai circular de metrô é estudar minimamente a geografia de Londres e ficar atento à direção das linhas para não pegar o trem errado. Assim, você se localiza melhor na cidade e não precisa decorar todas as linhas de metrô para entender qual o trem certo para o seu destino.

De olho no relógio

Quem está se mudando para Londres e tem na cabeça os horários do Brasil pode acabar perdendo o último trem, que passa à meia-noite. Depois desse horário, as únicas opções são os ônibus noturnos e os táxis — que, já disse, são bem caros. Por isso, fique de olho no relógio para não perder o último metrô e economize o seu dinheiro. Afinal, morar em Londres não é barato e a última coisa que você quer fazer na sua primeira semana é ter que gastar a mais com transporte porque perdeu o horário do metrô!

Se mesmo com essa dica você perder o trem, o Uber — famoso serviço de carros particulares — é uma boa alternativa para não ter que pagar uma tarifa cara de táxi.

Ande a pé

Que o metrô de Londres é ótimo e muito elogiado, você já sabe. Mas para conhecer bem a cidade, a melhor estratégia é andar a pé no centro. No fim das contas, há várias regiões que você pode conhecer tranquilamente a pé. Por exemplo, usando a Central Line (vermelha) como referência, é possível descer em qualquer uma das estações centrais (como Oxford Circus, Bond Street ou Marble Arch) e circular a pé pela região. O mesmo vale para a região de Picaddilly Circus.

Em geral, os trechos entre as estações não é longo e você vai conhecer muito mais de Londres do que poderia se estivesse dentro do metrô, além de ver lojas, restaurantes e cafés que nunca chamariam a sua atenção se você não passasse caminhando por eles.

Mão inglesa = atenção redobrada

Uma das situações mais estranhas na sua primeira semana em Londres será, sem dúvida, atravessar as ruas. Isso porque os carros trafegam na mão inglesa, que é o inverso do sentido de circulação adotado no Brasil — chamado de mão francesa. Isso significa que, nas ruas de mão dupla, você deve olhar primeiro para a direita e depois para a esquerda antes de atravessar.

Nesse tipo de modelo de circulação, também é preciso ter atenção redobrada ao dirigir, já que as regras são bem diferentes. A ultrapassagem, por exemplo, é feita pela direita e as rotatórias são sempre no sentido horário — o oposto do que acontece no Brasil!

Pesquise bastante antes de alugar um imóvel

Se você vai morar em Londres por algum tempo, é fundamental pesquisar bastante o bairro onde você vai ficar e ter cuidado na hora de fazer um contrato de aluguel. Se possível, só feche negócio depois de fazer uma visita no local: Londres é uma cidade de clima úmido e é bastante comum encontrar mofo em apartamentos.

Além disso, é importante verificar a relação custo-benefício: vale mesmo a pena pagar mais caro para ficar localizado em uma região central? Leve em consideração a sua rotina, local de trabalho e, claro, orçamento na hora de escolher. Caso decida morar em um bairro mais longe do centro, dê prioridade a locais próximos a uma linha de metrô para se locomover com facilidade!

Móveis e utensílios para a casa

Uma das grandes preocupações na primeira semana de moradia em Londres é, certamente, com a compra de móveis, roupa de cama, toalhas e demais itens para a casa nova. O principal lugar para quem não quer gastar muito é a Ikea, uma loja sueca que oferece tudo o que você pode precisar — de móveis a peças de enxoval — com preços convidativos. É claro que nem tudo é de ótima qualidade ou superdiferenciado, mas o custo-benefício da Ikea é imbatível. A seção de utensílios para a casa sempre tem diversas ofertas de £0,99 e você consegue comprar tudo o que precisa para a casa nova gastando pouco.

Alimentação econômica

Outra dica para manter o seu orçamento sob controle nos primeiros dias morando em Londres é apostar nos chamados meal deals, vendidos em grandes redes como a Boots ou a Mark & Spencer ou supermercados como o Tesco e o Asda.

São refeições completas, com prato principal — geralmente uma salada ou um sanduíche —, uma bebida e uma sobremesa. Essas ofertas custam em torno de £2 a £3 e são ótimas para quem não quer gastar demais com alimentação. Você compra seu almoço e depois se senta em algum banco público para comer tranquilamente, sem pagar os altos preços cobrados em cafés e restaurantes.

O meal deal também é uma boa forma de economizar nos dias em que você for sair à noite, por exemplo, ou estiver com o orçamento apertado no fim do mês.

Economize usando sites de compra coletiva

A febre dos sites de compra coletiva e descontos chegou ao Brasil há alguns anos e muita gente já conhece esse tipo de serviço. Se você está se mudando para Londres, sites como o Groupon, Amazon Local e Skint são ótimas alternativas para encontrar preços com desconto para visitar atrações turísticas, contratar serviços, conhecer bares e restaurantes e até mesmo fazer compras.

Assim, você economiza no dia a dia e consegue tornar a sua vida em Londres mais fácil e barata!

Prepare-se para as trombadas e pratique a etiqueta londrina

Em Londres, todo mundo parece ter pressa para chegar a algum lugar. Por isso, esteja preparado para levar trombadas e empurrões ao andar na rua ou no metrô, principalmente se você estiver andando devagar ou distraído por aí.

Outra dica é respeitar a regra dos londrinos: ao pegar uma escada rolante, deixe sempre o lado esquerdo livre para quem quer passar mais rápido. Quem vai ficar parado deve se manter no lado direito.

Aproveite as atrações gratuitas

Apesar da fama de ser uma cidade com custo de vida elevado, Londres oferece diversas atrações que não custam nem um centavo. O que poderia ser melhor do que conhecer Londres de graça? Visite o British Museum e a National Gallery sem pagar nada e veja de perto algumas das mais importantes obras de arte do mundo!

Outras opções são o Science Museum e National History Museum, ideais para quem gosta de ciência e história natural.

Abuse da tecnologia

Ficou confuso com tanta informação? Para tornar a sua vida em Londres mais prática e rápida, abuse das facilidades que a tecnologia tem a oferecer. Faça o download de aplicativos como o City Mapper, que traça rotas a pé ou usando o transporte público para te auxiliar na locomoção!

Se o que você busca é diversão, outro app indispensável é o Hype, que traz a lista de tudo que está acontecendo na região onde você está. Outro ótimo app é o Barclays Bike, aplicativo de bicicletas compartilhadas que te mostra onde estão as estações mais próximas e como circular utilizando as rotas de bicicleta.

Para quem gosta de economizar — já que o custo de vida em Londres não é baixo — a dica é o app Redlaser. Basta escanear o código de barras de um produto que você queira comprar que o app faz uma busca para verificar o preço em outros lugares. Assim, você evita pagar mais caro!

Com essas dicas, você vai conseguir sobreviver à sua primeira semana em Londres e se preparar para uma estadia prazerosa e confortável em uma das cidades mais bacanas do mundo para morar!

Gostou desse conteúdo? Leia o nosso Manual de Sobrevivência em Londres e prepare-se!