Londres é uma das cidades do mundo que mais atrai os brasileiros. Não há como saber ao certo quantos são os nossos compatriotas que decidiram viver em Londres, mas calcula-se que sejam cerca de 350 mil. Tanta gente assim não pode estar errada, não é?

A capital da Inglaterra é grandiosa em todos os sentidos e, por isso, pode parecer um pouco assustadora à primeira vista, para os não-iniciados em assuntos londrinos. É provável que, nos primeiros dias, você se sinta como um peixe fora d’água e tenha que resistir ao impulso de pegar o primeiro avião de volta para casa. Um certo estranhamento inicial é normal, não se preocupe. Mas se apaixonar por Londres é algo quase inevitável! Espere esse estranhamento se dissipar e desfrute de cada momento nessa cidade grandiosa que acaba por se abrir, sem mais segredos, para te acolher.

As coisas serão bem mais fáceis se você estiver bem informado sobre o que te espera. Quer mesmo morar em Londres? Veja aqui o que você precisa saber.

Conhecendo os londrinos e seu estilo de vida: como é morar em Londres

Para começar, é bom conhecer alguns hábitos londrinos para não se sentir meio perdido e evitar perrengues.

  • Primeiramente, a cidade funciona em ritmo acelerado. Londrinos andam rápido, pensam, decidem e agem rápido, pois não têm tempo a perder. Nas estações de metrô e nas ruas, você verá muita gente com cara de quem não sabe onde ir, mas esses são os turistas ou quem se mudou recentemente para a cidade. Como esse vai ser o seu caso nos primeiros dias, acostume-se a programar seu roteiro com antecedência, estudar o mapa do metrô com calma e pedir informações para os policiais, pois os apressados londrinos na rua nem sempre estão com tempo para orientar os perdidos.
  • Eles também são muito “polidos” e fazem questão de serem tratados com educação. Então, use sempre as “palavrinhas mágicas”: Hello, Excuse me, Sorry, Please, Thanks e Goodbye devem fazer parte de seu vocabulário diário. Por incrível que pareça, tem gente que se esquece!
  • Nos dias de sol, a galera toda vai para os parques (que são lindos!) fazer piquenique nos gramados. E costumam tomar sol bem à vontade, algumas vezes em roupas íntimas mesmo.
  • É verdade que eles amam chá. E para facilitar o preparo, toda casa em Londres tem uma chaleira elétrica, chamada kettle, para ferver a água. Todo hotel inglês também oferece o kettle e uma bandeja com diferentes tipos de chá para o hóspede preparar no quarto.
  • Começam a beber bem cedo, pois os pubs fecham às 23 horas em ponto. Não há jeitinho brasileiro que faça te servirem mais uma pint depois do horário, pois a multa para eles é bem salgada. Se necessário, eles vão te empurrar porta afora para não passar do horário de fechar.

Custo de Vida em Londres

Londres é uma cidade cara, mas o custo-benefício é justo. Se você pagou, vai receber o produto ou o serviço de primeiro mundo. E se você estiver trabalhando aqui, vai receber em libras, então seu salário vai compensar o alto custo de vida, e muito!

Cozinhar em casa é sempre uma boa alternativa para não gastar muito com alimentação. Há supermercados de grandes redes em todos os bairros. Boa dica: eles costumam baixar os preços dos perecíveis perto da hora de fechar. Para preços bem baixos, a rede Lidl é uma boa opção, além do Tesco, que você encontra quase em toda esquina. Dependendo de seus hábitos alimentares, espere gastar de £ 20 a £ 50 por semana com as compras de supermercado para uma pessoa, incluindo itens de higiene pessoal e lavanderia.

Transporte público de primeiro mundo tem seu preço e não é baixo. A boa notícia é que existe o Oyster Card, um cartão válido no metrô, ônibus, alguns trens e até barcos. O Oyster pode ser comprado e recarregado em estações e pontos de comércio, e o preço das passagens variam de acordo com o número de zonas percorridas e o horário. As viagens são mais caras em horários de pico e para zonas mais distantes da cidade, mas é sempre muito mais em conta do que comprar tickets para viagens isoladas. Compre seu Oyster já no aeroporto, se for pegar o metrô para o centro de Londres.

Pontos turísticos e lazer

Mais um ponto a favor de Londres: a cidade oferece fantásticas atrações gratuitas. Os melhores museus e galerias da cidade são de graça. Alguns exemplos: National Gallery, Tate Gallery, Museu Britânico, Museu de História Natural, Victoria & Albert e vários outros. Isso sem falar nos esplêndidos parques e jardins, e nos pitorescos mercados de rua, como os do exótico bairro de Camden Town, e as programações de rua, como as que acontecem às margens do Rio Tâmisa. Entre as atrações pagas, mas imperdíveis, estão a Torre de Londres e a London Eye, a roda gigante que faz jus ao nome, te oferecendo uma vista magnífica da cidade. Quem aprecia celebridades, vai gostar do museu de cera Madame Tussauds, com incríveis reproduções em cera em tamanho real de celebridades mundiais. Para as atrações pagas, há tickets combinados que oferecem bons descontos.

A vida noturna em Londres é riquíssima em opções. Comece pelos teatros da região da Leicester Square, que oferecem peças e musicais para todos os gostos, alguns há anos em cartaz. E para cair na balada, vai ser difícil escolher. Algumas das mais conhecidas são a Fabric, em Farringdon, o Cirque Le Soir, perto de Picadilly Circus e a Ministry of Sound, em Newington. E para sentir um gostinho do Brasil em Londres, vá ao Guanabara, com música brasileira, escolas de samba, forró, capoeira e caipirinhas para matar as saudades de casa.

Entrada legal na Inglaterra: vistos e documentação para estudar e morar em Londres

O visto de entrada para a Inglaterra é emitido no próprio aeroporto, em casos de visto de turista ou estudante. O visto de turista tem validade máxima de 6 meses. Já o de estudante pode variar entre  6 ou 11 meses. Para obtê-lo, você deve estar matriculado em um curso com carga horária superior a 15 horas semanais e em período diurno. E se pretende ficar mais do que 6 meses (com prazo máximo de 11 meses), é preciso providenciar um entry clearance, um tipo de pré visto, antes de sair do Brasil. Se pretende trabalhar como estudante, você vai precisar de um tipo de visto chamado “visto de estudante por pontos” (tier 4). Ele é obtido online (Visa4UK). Para isso você vai precisar de um CAS (um certificado de aprovação de estudos, para avaliar se seu nível de inglês é suficiente para trabalhar). Daí, é só solicitar sua entry clearance – encontre aqui todas as informações oficiais sobre a entry clearance.

Na ocasião da entrevista você deve portar seu passaporte (com validade superior a 6 meses), comprovante de acomodação (seja hotel, casa de família ou uma carta do seu anfitrião — que deve ser residente — dizendo que vai recebê-lo na sua casa), comprovante de renda e de vínculos com o Brasil, carta da escola (em caso de estudantes) e sua passagem de volta. É importante ter sua passagem de volta e também guardar seus cartões de embarque, porque nem sempre a validade do visto é carimbada no passaporte — portanto, é a passagem que comprova sua data de saída, principalmente se você for voltar para a Inglaterra.

A entrevista na alfândega normalmente é rápida e descomplicada. A Inglaterra recebe muitos turistas e estudantes brasileiros — o Brasil é o segundo país a enviar estudantes para o Reino Unido e cerca de 90% deles consegue o visto. As perguntas normalmente são sobre: quanto tempo vai permanecer no país, o que foi fazer lá (turismo, estudo), onde vai ficar e quanto de recurso financeiro dispõe para se manter. Eventualmente, podem pedir alguma comprovação. Mas fique tranquilo, o processo é simples e eles só querem se certificar de que você não vai permanecer ilegalmente. Para não se sentir tão inseguro, é importante saber o mínimo de inglês para compreender as perguntas e poder responder, mesmo o básico, em alguns casos pode haver um tradutor para te ajudar caso seja necessário.

Ensino de excelência para quem quer estudar e morar em Londres

Estudar em Londres é ter a certeza de ter à disposição instituições seculares, de altíssima qualidade e com uma considerável diversidade de cursos. Em termos de cursos de pós graduação, não faltam universidades de excelência. Podemos começar falando da London School of Economics and Political Science. No ranking do Reino Unido, fica atrás apenas de Cambridge e Oxford. É referência na área de ciências sociais: tem um dos principais centros de pesquisa do planeta. Foi fundada em 1895 e tem uma biblioteca com mais de 4 milhões de volumes. Outra instituição de peso é a famosa UCL (University College London). Para entender um pouco da sua abordagem humanista, é só observar a sua história: fundada em 1826, foi a primeira universidade a admitir mulheres, em termos de igualdade com os homens — em 1878. Sua trajetória também é marcada por não fazer distinções dentre os alunos — em relação a gênero, cor ou nacionalidade —  e hoje tem como foco estudos e pesquisas em questões contemporâneas, como meio ambiente e sustentabilidade.

Se sua área de interesse é saúde e medicina, a QMUL (Queen Mary University of London) é referência no assunto: no seu hall de alunos estão 5 ganhadores de prêmios Nobel. Seus 17 mil alunos respaldam a popularidade da instituição, que figura como uma das maiores do país. E sendo ainda uma cidade de intensa vida cultural e que respira arte, é obrigatório citar a UAL (University of the Arts London), das maiores especialistas da Europa em arte, design, moda, comunicação e artes performáticas. Seus alunos sempre estão dentre os premiados dos Designers do Ano na Inglaterra, 12 alunos estão dentre os ganhadores do prêmio Jerwood Photography e mais de 40 dos seus artistas graduados estão no Guia Catlin dos mais promissores artistas da Inglaterra.

Opções para estudar em Londres não faltam e pode estar certo de que há muitas universidades com ensino de excelência. Mas pode esperar também por um alto nível de cobrança: é preciso ir bem nos testes para comprovar que você tem um bom nível de inglês, fundamental para acompanhar as aulas.

Para morar em Londres, saiba sobre trabalho!

Londres oferece ótimas oportunidades de trabalho para quem tem o visto certo e fala inglês. A cidade precisa tanto da mão de obra estrangeira que, alguns anos atrás, até quem estava ilegal no país conseguia algum “job”. Hoje em dia, com o endurecimento das leis de trabalho, isso não é mais possível. Se você é estudante em cursos de graduação, vai poder trabalhar 20 horas por semana. Se tem visto de trabalho (work permit) ou passaporte europeu, poderá trabalhar full time (tempo integral). O salário mínimo inglês é calculado por hora. Em 2015, o minimum wage estava em £ 6,50 (seis libras e meia), mas normalmente dá pra ganhar um pouco mais que isso, contando com as gorjetas.

Você vai encontrar trabalho como cleaner (limpando casas ou escritórios), waiter/waitress (garçon/garçonete em pubs, restaurantes e festas), Bartender, Chef de cozinha, Kitchen porter (auxiliar de cozinha), Babá e até posterman, em que você “veste” um cartaz com o anúncio da empresa que te contratou e fica passeando pela rua para fazer propaganda do negócio. Quem tem moto e permissão para dirigir também pode ser courier, fazendo entregas pela cidade. Outro trabalho com boa oferta é o de cuidador de idosos, no qual sua função será tomar conta e fazer companhia a pessoas idosas em clínicas de repouso ou na casa deles. A construção civil também oferece muitas vagas. Bons sites para anúncios de empregos são o Gumtree e o TNT Jobs. Faça um bom currículo e cadastre-se também em sites de recrutamentos, além de ficar de olho nos anúncios de lojas e comércio em geral. As grandes redes, como McDonalds, KFC, Starbucks e Burger King estão sempre contratando.

O governo britânico também facilita as coisas para quem quer trabalhar, oferecendo jobcentres espalhados pela cidade. É só entrar e fazer seu cadastro, ou então usar os terminais disponíveis para pesquisar as vagas disponíveis. Muitas vezes você poderá fazer contato diretamente com o empregador, sem precisar se registrar no Jobcentre.

Se você tem curso superior, pode solicitar a revalidação de seu diploma brasileiro e exercer sua profissão legalmente no país. O processo é burocrático e você precisará provar que fala inglês fluentemente, através do exame de proficiência chamado IELTS, mas vale muito a pena investir tempo e paciência para revalidar seu diploma.

Onde morar

A cidade é dividida em  6 zonas. Quanto mais longe é a zona, mais barato o aluguel e mais caro o transporte para o centro. A dica é encontrar um meio termo.

Analisando preços de moradia, tempo de viagem até o centro e opções para vida noturna, um dos melhores lugares de Londres para morar está na região sudeste e se chama Woolwich. Com aluguéis cerca de 27% mais baratos do que a média londrina e bem conectado ao centro, além de estar próximo a várias universidades, o bairro virou reduto de estudantes.

Outras boas opções são Leytonstone, Stratford, Wembley Park, Greenwich, Finsbury Park e Brixton. A região de Brixton, no final da Victoria Line do metrô, atualmente virou destino top entre os londrinos, por seus mercados, bares e pubs.

Se você preferir morar onde há mais brasileiros (o que pode não ser uma boa ideia se o objetivo é falar inglês), procure a região de Bayswater. Há tantos brasileiros morando lá que os ingleses rebatizaram o bairro como Brazilwater, coincidentemente a linha do metrô que passa neste bairro é verde e amarela. Outras regiões de concentração de brasileiros são Stockwell e Brent, no noroeste.

Uma das opções mais econômicas para quem vai viver mais tempo em Londres é alugar um quarto em casas compartilhadas com outras pessoas. Procure no site Gumtree ou no Zoopla. Outra opção é o Airbnb, que anuncia quartos em casas de famílias locais. A maioria dos landlords, os proprietários das casas, exigem o pagamento de um depósito como garantia e um mês de aluguel antecipado.

Se seus planos incluem a compra de um imóvel em Londres, vá em frente. Qualquer estrangeiro pode adquirir um imóvel aqui, inclusive com financiamento. Pesquise em sites como o Zoopla e o Rightmove para encontrar o imóvel que te interessa. Depois, contrate um bom advogado para conduzir todo o negócio, pois isso é obrigatório por lei, além de garantir a segurança do seu investimento.

Encontrar casas em Londres é uma das etapas mais importantes para você se estabelecer na cidade onde você irá trilhar uma nova etapa da sua vida. Baseado nisso criamos o formulário abaixo para te ajudar!

Envie sua pergunta ou solicitação de orçamento sem compromisso para as agências brasileiras de acomodação em Londres preenchendo o formulário abaixo.

Minhas dicas foram úteis? Quer saber mais sobre Londres? Baixe gratuitamente o e-book “Como morar em Londres: 6 passos para o sucesso“.

 

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Telefone

Assunto

Escreva abaixo exatamente o tipo de acomodação que você está procurando e informe o máximo de detalhes.